São cartas Senhor, são cartas! Depois de tocar a campainha, algo acontece. Não é o carteiro, mas há uma carta por abrir.

.posts recentes

. Ironia da realidade - Men...

. A ironia da democracia em...

. Não tenho paciência para ...

. Não tenho paciência para ...

. Não paciência para merdas...

. Ñão tenho paciência para ...

. Love in trash can

. End of watch

. O pecado numa dentada de ...

. Hotel Georgian

.arquivos

. Fevereiro 2013

. Dezembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Abril 2012

. Outubro 2011

. Julho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Fevereiro 2011

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

.links

Segunda-feira, 15 de Janeiro de 2007

Crumble e bolo de chocolate

Tendo em consideração:

Ø      O pedido de várias famílias (gulosas), nomeadamente aquelas que já tiveram oportunidade de experimentar as obras de arte gastronómicas em epígrafe;

Ø      A tentativa de usar uma técnica mais agressiva de marketing para fomentar o número de visitas ao meu blog (sem falar de sexo)

 

Assim, querido leitor(a),

 

Crumble de maçã

4 maçãs (eu adoro maçãs, por isso não me pronuncio sobre a qualidade, até para não me acusarem de práticas anti-concorrenciais)

125 gramas de farinha (farinha, é farinha, mas o que é nacional é bom!)

75 gramas de manteiga (da vaquinha mimosa, claro!.. que se lixem as regras comunitárias sobre a concorrência)

75 gramas de açúcar (yeah baby)

Canela (a gosto! muito)

 

Depois de uma reflexão interior sobre a unidade e o infinito, enquanto evidência fenomenológica do devir, descascar as maçãs e cortar em pedaços, os quais devem forrar a base da forma. Depois, polvilhar os pedaços de maçã com açúcar e canela.

Quanto à massa, reflectir previamente sobre a problemática gnoseologica levantada pela sexualidade da Barbie. Após essa reflexão, para preparar a massa, seguir a táctica futebolística de “tudo ao molho e fé em Deus”: juntar os ingredientes todos (farinha, açúcar, canela e manteiga) e amassar tudo até obter uma massa granulada.

Colocar a massa em cima das maçãs e levar ao forno a 200º, cerca de 25 minutos (mais minuto, menos minuto… até ficar com aquele aspecto tostadinho….).

De preferência, servir quente, com gelado de baunilha e com chá preto a acompanhar! (Também se aconselha a prática de actividades físicas depois dos momentos zen … do paladar).

 

Bolo de chocolate (também designado por bomba nuclear… aí se o Bush soubesse disto!!)

400gr de chocolate em barra (2 tabletes de “chocolate” enriquecido!!)

9 ovos (mas sem a galinha)

200gr de manteiga (da vaquinha mimosa, perdoem a redundância, mas eu sou muito sentimental com estas coisas)

200 gr de açúcar (oh, sim, isto não é um bolo para meninos!!)

200 gr de farinha (Nada de pânico, leva farinha, por isso até nem tem assim tantas calorias!)

 

Nada de reflexões, não há tempo a perder, que começo a salivar só de pensar no resultado final..

Derreter o chocolate com a manteiga – stop.

Separar as gemas das claras – stop.

Juntar o açúcar às gemas – stop.

Juntar o chocolate derretido às gemas –stop.

Juntar as claras batida em castelo e finalmente a farinha –stop.

Preparar a forma (manteiga e farinha) – stop.

Levar ao forno, pré-aquecido a 200º, e deixar cozer durante 15 minutos (este é o segredo do bolo. Mas devo advertir que depende muito do forno e da intuição do artista, pois terá de determinar se a cozedura é suficiente ou não, dependendo também se se pretende o bolo mais líquido ou menos. Em todo caso, não deve deixar cozer na totalidade, pois o bolo não fica lá grande coisa assim!) - stop

Para acompanhar, a imaginação deve servir!! Mas ainda assim, natas batidas com açúcar e morangos são uma excelente opção. – Go!!

 

Enjoy it and give me some feedback on the result!!

 

P.S. - Um pequeno aviso, as medidas devem ser vistas como meramente indicativas. Afinal, um verdadeiro mestre revela-se no improviso!

 

publicado por O Carteiro às 00:40
link do post | favorito
Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

.Fevereiro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

.links

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds