São cartas Senhor, são cartas! Depois de tocar a campainha, algo acontece. Não é o carteiro, mas há uma carta por abrir.

.posts recentes

. Ironia da realidade - Men...

. A ironia da democracia em...

. Não tenho paciência para ...

. Não tenho paciência para ...

. Não paciência para merdas...

. Ñão tenho paciência para ...

. Love in trash can

. End of watch

. O pecado numa dentada de ...

. Hotel Georgian

.arquivos

. Fevereiro 2013

. Dezembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Abril 2012

. Outubro 2011

. Julho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Fevereiro 2011

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

.links

Terça-feira, 3 de Maio de 2011

Sobre o fluir do tempo

O tempo passa.. Inúmeros clichés e lugares comuns poderiam servir de introdução a este postal, até mesmo o facto de o tempo não existir. Mas o título é apenas um pretexto para escrever algo que ainda não está definido. Na verdade, tal parte da imposição de escrever e não deixar passar mais tempo sem o fazer. Não que sinta uma urgência em escrever, mas sinto vontade de escrever.

Por outro prisma, escrever poderá ser visto como uma perda de tempo. Felizmente o tempo é relativo e a apreciação do que escrevo também. Tenho andado às voltas com uma ideia que por vezes assume contornos de piada mas que tem um fundo de preocupação. A cisão entre o sujeito e o objecto. A cisão não é só importante em termos epistemológicos mas acaba por ter um retorno existencialista que me deixa apreensivo com as minhas próprias limitações. E nessa confusa dialéctica, dou por mim a olhar coisas que escrevi e a ficar siderado com a capacidade de me surpreender, mesmo numa coisa sentida tão intensa e intimamente como escrever. E não posso deixar de pensar que, de facto, embora a linguagem humana (nas suas diferentes formas) seja uma das características mais distintivas do ser humano, não deixa de ser uma codificação artificial para exprimir aquilo que de mais humano temos: sentir. No entanto, a distorção desta codificação/simplificação pode ser duplamente artificial, pois não só se reflecte na forma como conseguimos exprimir o que sentimos, mas também, provavelmente, condiciona a forma como sentimos. Na verdade, ao termos que aprender a exprimir os nossos sentimentos, não será que estamos também a ser condicionados pelos códigos que temos de utilizar para exprimir esses sentimentos?

Bem, por agora, é o que me apraz dizer sobre o fluir do tempo.

publicado por O Carteiro às 02:01
link do post | comentar | favorito
|
3 comentários:
De Sport TV a 10 de Maio de 2011 às 15:53
Gostei, Mario
De Anónimo a 9 de Julho de 2011 às 20:42
Gostei bastante, =)
De O Carteiro a 10 de Julho de 2011 às 20:12
obrigado

Comentar post

Facebook

José Almeida is a fan of

The Big Church of FireThe Big Church of Fire
Create your Fan Badge

.Fevereiro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

.links

.contador

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds