São cartas Senhor, são cartas! Depois de tocar a campainha, algo acontece. Não é o carteiro, mas há uma carta por abrir.

.posts recentes

. Ironia da realidade - Men...

. A ironia da democracia em...

. Não tenho paciência para ...

. Não tenho paciência para ...

. Não paciência para merdas...

. Ñão tenho paciência para ...

. Love in trash can

. End of watch

. O pecado numa dentada de ...

. Hotel Georgian

.arquivos

. Fevereiro 2013

. Dezembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Abril 2012

. Outubro 2011

. Julho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Fevereiro 2011

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

.links

Domingo, 25 de Julho de 2010

Don't panic

Registo pensamentos avulsos porque um discurso coerente parece incomensuravelmente distante.

Há uma certa confusão no universo. A maternidade perdeu o seu significado na dinâmica da sobrevivência. enquanto respirar passou a ser um acto estético. E nisso existe algo de imperceptível, tal como no som de palavras ambíguas, sublimadas pelos seus sentidos paralelos. Numa onda de desejo, a formulação de um vazio é uma poesia obstinada numa tranquila madrugada, tal como uma convicção no nexo das ligações neurológicas do passado, resilientes e transformadas em simulacros. O seu significado confunde-se provavelmente com símbolos encriptados numa pequena capela abandonada num monte ermo, diluído numa paisagem árida e sublimada pela angústia.

O ponto de observação de uma consciência em luta pelo domínio discricionário da noite eterna é uma escolha do devir dos pensamentos, reduzidos a grãos de areia suja, com o inerente paradoxo da metáfora. E existe uma vulgaridade enfadonha nos gestos das pessoas que ignoram a presença dessa força, inominada e perdida, na escuridão de um templo de sacrifício que é o vulgo coração.    

publicado por O Carteiro às 22:50
link do post | comentar | favorito
|
Facebook

José Almeida is a fan of

The Big Church of FireThe Big Church of Fire
Create your Fan Badge

.Fevereiro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

.links

.contador

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds