São cartas Senhor, são cartas! Depois de tocar a campainha, algo acontece. Não é o carteiro, mas há uma carta por abrir.

.posts recentes

. Ironia da realidade - Men...

. A ironia da democracia em...

. Não tenho paciência para ...

. Não tenho paciência para ...

. Não paciência para merdas...

. Ñão tenho paciência para ...

. Love in trash can

. End of watch

. O pecado numa dentada de ...

. Hotel Georgian

.arquivos

. Fevereiro 2013

. Dezembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Abril 2012

. Outubro 2011

. Julho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Fevereiro 2011

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

.links

Sexta-feira, 5 de Fevereiro de 2010

Crítica ao EP "For Tura With Love" - Revista on-line Feedback

 

THE BIG CHURCH OF FIRE - For Tura With Love

“For Tura With Love” apresenta a estreia dos The Big Church Of Fire.

A dupla , sob os epítetos Reverend Joe e Brother Louie, perscruta pelas cinco faixas do mais recente trabalho, uma dinâmica musical que une em si todas as propulsões ritmicas e imaginárias dos rock´n´ blues mais rugosos e abrasivos . Desde o calor de alma de uns blues norte americanos , com tudo o que esta ligação nos possa surtir na memória-o universo sexual, a fusão entre o sacrilégio e o profano,etc- e o rock´n´roll mais purista à religiosidade quase onírica das suas possíveis devoções que nos vão mantendo a matriz original destas derivas , remetendo-nos para ícones como Johnny Cash ou Bill Black Combo .

Há no universo Big Church Of Fire pormenores que se fundem naturalmente e facilmente partimos para doses , mais ou menos controladas, de um country-rock ou mesmo surf rock a avivar ,em dose mais garantida, uns Speedball Baby ou até Heavy Trash. Atente-se em “Stripped” ou mesmo “On The Road”.

Facilmente sentimos o apreço por tais desvios e vibrações passados, pelas guitarras saturadas e volúpia timbrica.

“Gimme” é um pouco a intrusão na atmosfera Spenceriana e sente-se claramente essa explosão anfetaminada que viaja e vai animando o cenário mais explosivo e punk gageriano de Jon Spencer.

Gravado em Nova Iorque com Matt Verta-Ray, em “For Tura With Love” há como que uma intranquilidade geradora de sensualidade revisitada, uma espécie de interlúdio que parece servir de intermediário à união das várias figuras e aspectos referenciais.


*** 

Soraia Simões

 

 

 

http://sites.google.com/site/feedbackmusica/opiniao/the-big-church-of-fire---for-tura-with-love

 

publicado por O Carteiro às 18:18
link do post | comentar | favorito
|
Facebook

José Almeida is a fan of

The Big Church of FireThe Big Church of Fire
Create your Fan Badge

.Fevereiro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

.links

.contador

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds