São cartas Senhor, são cartas! Depois de tocar a campainha, algo acontece. Não é o carteiro, mas há uma carta por abrir.

.posts recentes

. Ironia da realidade - Men...

. A ironia da democracia em...

. Não tenho paciência para ...

. Não tenho paciência para ...

. Não paciência para merdas...

. Ñão tenho paciência para ...

. Love in trash can

. End of watch

. O pecado numa dentada de ...

. Hotel Georgian

.arquivos

. Fevereiro 2013

. Dezembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Abril 2012

. Outubro 2011

. Julho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Fevereiro 2011

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

.links

Quinta-feira, 9 de Outubro de 2008

Estado da Nação

 

Vou partilhar com vocês um pequeno episódio que retrata uma das mais acutilantes evidências, que bem poderia ser adoptada como prólogo desta Lusitânia Nação, “o que nasce torto, tarde ou nunca se endireita” (Já estou a imaginar a frase nas fronteiras do pais e nos aeroportos, logo a seguir ao “bem-vindos”…):
 
Entrei na secção de frutas de um supermercado quando me deparei com o seguinte espectáculo. Um miúdo, de cerca 4 anos, divertia-se tranquilamente a atirar maçãs de uma caixa para outra, enquanto uma senhora (sua avó), impávida e serena, ao seu lado, apalpava bananas e engelhava a testa. Quando as devidas ressalvas antropológicas e habituais “disclaimers” politicamente correctos, devo dizer que neto e avó aparentavam pertencer a uma respeitosa classe média alta (provavelmente, habitante das twin towers) e não aos ditos “grupos étnicos minoritários e desfavorecidos”.
 
Um pouco mais afastado, estava um empregado do supermercado (pertencente ao grupo étnico brasileiro, logo, mentalmente criminosa… na mente de mais pessoas do que se julga) que, com algum cuidado, se encontrava a seleccionar a fruta que estava exposta no referido estabelecimento comercial (sobre o conceito de estabelecimento comercial, vd. assanhada disputa entre Coutinho de Abreu e Orlando de Carvalho). O empregado apercebendo-se da situação hesitou na intervenção, olhando de soslaio diversas vezes para a “sra. de respeitável porte social”, eventualmente na esperança de alguma pedagogia “para-maternal” da dita cuja. Mas nada.
 
Então, o empregado, sentindo provavelmente a insustentável leveza de ser, dirigiu-se ao miúdo e numa voz tranquila e pausada disse “Menino, você não pode atirar a fruta porque estraga”. O puto (a mudança de tom não é ingénua) olhou de soslaio o empregado, encolheu os ombros e, com redobrada energia, continuou a praticar o lançamento das maçãs (era final da tarde, por isso, há que ter esperança no seu futuro olímpico).
 
O empregado ainda insistiu com o miúdo, mas, talvez pelas diferenças de sotaque, o miúdo tomava aquilo como uma espécie de incentivo.
 
Finalmente, o empregado dirigiu-se à sra. avó, que durante este processo, continuava a afincar as suas unhas coloridas nas bananas, e disse-lhe: “Sra., diga ao menino para não atirar a fruta porque estraga”.
 
Se ela não tivesse respondido, até poderia ser que esta história não fosse mais do que um mal-entendido, a Sra. seria surda e não se teria apercebido da situação. Mas…
 
Para meu espanto, eis a resposta: “Não estraga nada, deixe o miúdo em paz. Pelo contrário, até amadurece a fruta”. E continua: “E olhe, quantas vezes não levo fruta e ela fica estragada em casa??! Ah!”. Entretanto, toca o telemóvel, ela atende e ouve-se “Olá filha, já regressaste da “manicure”? Então, nós já vamos para casa”. Desliga e em acto continuado, conclui: “Iuri, vamos embora que a mamã já está em casa”. (Bem gostaria de dizer que, afinal, atendendo ao nome do “prodigioso neto”, estávamos perante outro grupo étnico, mas garanto que o sotaque era do mais requintado gosto alfacinha que tenho ouvido).
 
Haveria muito a comentar. Sem querer ser mau agoiro só espero que um dia, a nossa querida avó não tenha que ouvir: “Oh velha, deixe lá o Iuri chutar heroína porque isso até estimula a capacidade criativa”. Isto claro, enquanto o jovem “Iuri”, motivado pela necessidade de obter financiamento para a expansão da sua capacidade criativa, atinge a anciã com uns belos “directos” nas “trombas”, graças aos anos de prática de lançamento de maçãs.
 
Sic transit mundi
publicado por O Carteiro às 17:27
link do post | comentar | favorito
|
3 comentários:
De Sãozinha a 10 de Outubro de 2008 às 18:53
Brilhante!
De Laranja a 15 de Outubro de 2008 às 17:09
Nunca imaginei dizer isto de um post seu: fantástico!

Adorei o parágrafo final! É caso para dizer: Iuri larga os diabetes e come uma peça de fruta! :)
De RUI a 22 de Outubro de 2008 às 18:39
É NOVA MENTALIDADE, É FASHION,FORAM OS 15 MINUTOS DE FAMA.SEM COMENTÁRIOS.ESPECTACULAR.
OBRIGADO PELA VISITA,E PELO INCENTIVO QUE FAZ COM QUE SEJA CADA VEZ MELHOR, PARA QUEM COMO EU NÃO TEM MUITO JEITO....

Comentar post

Facebook

José Almeida is a fan of

The Big Church of FireThe Big Church of Fire
Create your Fan Badge

.Fevereiro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

.links

.contador

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds