São cartas Senhor, são cartas! Depois de tocar a campainha, algo acontece. Não é o carteiro, mas há uma carta por abrir.

.posts recentes

. Ironia da realidade - Men...

. A ironia da democracia em...

. Não tenho paciência para ...

. Não tenho paciência para ...

. Não paciência para merdas...

. Ñão tenho paciência para ...

. Love in trash can

. End of watch

. O pecado numa dentada de ...

. Hotel Georgian

.arquivos

. Fevereiro 2013

. Dezembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Abril 2012

. Outubro 2011

. Julho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Fevereiro 2011

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

.links

Terça-feira, 27 de Maio de 2008

Eu também quero isso

 

Hoje é segunda-feira e como é dia de cinema para alguns, dia de ver a Cat Power para outors (como eu!!), fica aqui uma recomendação: “Shine a light”. Acho que é uma recomendação bastante imparcial, não sou um fã dos Rolling Stone, embora goste de muitas músicas deles e, como já dei conta aqui e que agora aproveito para ilustrar com um “car vídeo” .. já tive uma epifania ao som de “You can’t always get what you want” enquanto rodava dentro dos speed limits da bela Califórnia… hum, califórnia…
Mas digo que ver o concerto é muito mais que ver um concerto gravado em filme, e digo isto não apenas por causa dos excertos, em jeito de flashbacks, dos tempos áureos da banda (que no entanto são verdadeiros “flocos de neve”). É o rock&roll. E a verdade é que é impossível falar em rock&roll sem falar neles. E vê-los ao vivo depois destes anos todos, para uma pessoa que nunca os viu, é uma experiência bem intensa, com o toque (bem presente), do Martin Scorsesse (e que não deve ser esquecido… aliás, acho que ele exagera um pouco no “drama” da sua presença, muito mais programada do que espontânea, mas ainda assim contida..)
Acredito que possa existir muita “produção” que dê sustentabilidade à banda (aliás, o som está fantástico, com um coro e músicos de apoio exímios), mas a essência são os “rolling stones”, a bateria, as guitarras e a voz. Não dá para acreditar na energia que eles colocam em palco e na forma pujante que se lançam na execução das músicas. Bem que os convidados (Jack White – com um sorriso de orelha, Cristina Aguilera – muito bem “encaixada” no dueto com o Jagger; e Buddy Guy – the bluesman do estilo partir a loiça toda) tiveram de dar o seu melhor para acompanhar o ritmo. Claro que o Mick Jagger é um caso à parte. Não sei o que ele toma, mas só sei que “eu também quero isso!” ..UhUh

 

publicado por O Carteiro às 12:37
link do post | comentar | favorito
|
Facebook

José Almeida is a fan of

The Big Church of FireThe Big Church of Fire
Create your Fan Badge

.Fevereiro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

.links

.contador

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds