São cartas Senhor, são cartas! Depois de tocar a campainha, algo acontece. Não é o carteiro, mas há uma carta por abrir.

.posts recentes

. Ironia da realidade - Men...

. A ironia da democracia em...

. Não tenho paciência para ...

. Não tenho paciência para ...

. Não paciência para merdas...

. Ñão tenho paciência para ...

. Love in trash can

. End of watch

. O pecado numa dentada de ...

. Hotel Georgian

.arquivos

. Fevereiro 2013

. Dezembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Abril 2012

. Outubro 2011

. Julho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Fevereiro 2011

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

.links

Domingo, 27 de Junho de 2010

De regresso

Porque tenho saudades do meu blog... e dos meus leitores!

 

Doze é o número do silêncio

 

1. Uma experiência existencial fúnebre foi vivida em gelo do árctico. Em sentido metafórico, tal como Eu gosto de pensar. Na verdade, perante as dúvidas de um anseio matinal, recobrando as forças de uma glória inerte, ripostaram as labaredas de Demétrio, em agulhas insanas de dor. Enquanto do céu, bem, nada se via. Havia apenas nevoeiro. E claro, silêncio espalhado por todo lado, pois tal era a força da Minha convicção de não ouvir.

 

2. Lançava uma espécie de divagação pretensiosamente filosófica. Os perigos sucumbem em valas de medo, onde existe uma estrada coberta de negra prata, onde não é possível correr, onde não é possível sobreviver sem o auxílio do abandono. Absurdo. Mas o absurdo é também pensamento. Não será também a razão?

 

3. Se a janela está aberta e faz frio, o corpo treme. Sim, é frio. Mas outra coisa existe. O horizonte abraça o firme rumo dos passos em direcção oposta ao Sol. O seu reflexo é oblíquo e o seu calor inexistente. E no palato das montanhas aguadas acorda o instinto de nuvens disformes.  

                                                                                                                       

4. Em raio diametralmente oposto, repousa a cabeça cansada de uma criança suja, de uma religião danificada. Punções de aço estridente nos estreitos e delicados braços de falsa esperança. Náusea divina ao tumor maligno de uma barriga inchada. Entretanto, o vazio do olhar enche-se de uma tristeza lenta e arrastada.  

 

5. Um desequilíbrio muda. A fúria revela uma sirene de maldição. Nem uma serpente acorrenta tamanha ignomínia e condescendência. Em forma de lava arrefecida mas, ainda assim, veloz como pedras num esgoto de merda.

 

6. A ignorância do momento de calcinação da medíocre paisagem urbana. Uma frase de permanente significado, tal como a sua ausência. E sim, num aneurisma ainda há vida.

 

7. A materialização da dúvida em espirais de demência. Não é possível elidir uma forma de beleza celestial. Não existem apenas estrelas. Não existem apenas estrelas como momentos de abandono ao desejo.

 

8. E uma fuga. Pensar em desvios, em fragmentos que percorrem uma larga curva junto ao deserto das vertigens. Um líquido capaz de transfigurar a essência de um dogma.

 

9. Se há loucura? Tão certa como a razão. E não deverá estar sempre presente? E não deverá ser a companheira da melancolia? É um suspiro, certamente.

 

10. Navegar em forma de vento, numa carcaça sem peso ou matéria. Redundância? Desespero? Alheamento? Uma desculpa sem ser pedida. Ninguém precisa de acreditar. É indiferente à vontade.

 

11. O formigueiro acidental da trágica ocorrência de neve. Nesferatu vive em harmonia com a fogueira da sabedoria. Quem diria?

 

12. É preciso ser cobarde para ser corajoso na hora de morrer. Mas morrer de verdade, como quem deseja viver.

 

 

  

 

publicado por O Carteiro às 23:22
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|
Facebook

José Almeida is a fan of

The Big Church of FireThe Big Church of Fire
Create your Fan Badge

.Fevereiro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

.links

.contador

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds