São cartas Senhor, são cartas! Depois de tocar a campainha, algo acontece. Não é o carteiro, mas há uma carta por abrir.

.posts recentes

. Ironia da realidade - Men...

. A ironia da democracia em...

. Não tenho paciência para ...

. Não tenho paciência para ...

. Não paciência para merdas...

. Ñão tenho paciência para ...

. Love in trash can

. End of watch

. O pecado numa dentada de ...

. Hotel Georgian

.arquivos

. Fevereiro 2013

. Dezembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Abril 2012

. Outubro 2011

. Julho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Fevereiro 2011

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

.links

Quinta-feira, 21 de Agosto de 2008

Montanha Mágica

 

Estou de férias e o meu roteiro levou-me até à estação de “Davos-Platz”. Num sentido literário, advirto, até porque acho que um sanatório, por mais literário que seja, não preenche o meu imaginário de “hospedagem de férias”.
Tudo este uso da língua portuguesa, e não latim, como por momentos hesitei escrever, para dizer que iniciei a minha leitura dessa obra “mítica”, “A montanha mágica”, de Thomas Mann.
Aqueles leitores com algumas pretensões literárias, como eu, já devem ter ouvido falar deste livro e, aliás, devem já muito ter desejado colocarem as vossas mãos num. Eu compreendo, eu também já desejei dessa forma, e fiz diversas tentativas, mas sem sorte. A edição “Livros do Brasil” há muito que está esgotada e, nos alfarrabistas, é raro aparecer um exemplar, ou quando aparece, existe um misterioso vulto que o arrebata e por um preço excessivo (cerca de 30€).
Mas já aqui dei conta da minha propensão para o “tratamento VIP” e, sem grande espanto meu, esse tratamento está na base da minha aquisição do desejado exemplar.
Andava eu pela Feira do Livro, na companhia da minha boa “Feiticeira”, quando me deparei com a barraquinha “humilde” dos “Livros do Brasil”. Sendo um dos meus escritores preferidos, não hesitei em comprar os dois volumes de “A leste do paraíso” dp John Steinbeck. Após ter realizado a respectiva aquisição comercial translativa, por mero descargo de consciência, perguntei se tinha algum exemplar do referido livro de Thomas Mann. A senhora sorriu com um ar benevolente e disse que não, que já várias pessoas tinham perguntado por esse livro, o qual, realmente, deveria ser muito especial. Palavra puxa palavra sobre “o livro” e ela acabou por me recomendar que fosse ter com um “seu colega” que estava noutra barraca, e “que ele talvez pudesse ajudar”. Fantasiei um certo mistério e segredo nesta informação e, claro, dirigi-me para a referida barraca.
Estava rodeada por algumas pessoas (era domingo e, incrivelmente, “algumas pessoas” decidiram deslocar a tradicional romaria domingueira do “Colombo” e do “Vasco da Gama”, para o espaço do Parque Eduardo VII).
Quando consegui captar a atenção do referido senhor, lancei a pergunta. A resposta negativa foi quase automática, com um certo tom de ironia. Novamente, não era o primeiro a perguntar pelo livro. No entanto, desabafei que estava com esperanças de conseguir o livro, pois a senhora da outra barraca me tinha dito que ele seria eventualmente “capaz de me ajudar”. Notei que após ter dito, ele parou física e mentalmente e ficou a olhar fisicamente. De seguida, pareceu ter tomado uma decisão interior grave e, quando já me preparava para abandonar a barraca, chamou-me para a parte do expositor onde não estava ninguém e perguntou-me em tom de desafio: “Quer mesmo comprar o livro?” Alinhando num tom conspiratório que aparentemente a conversa tinha adquirido, respondi afirmativamente. Então ele prosseguiu e disse: “Olhe, tenho aqui um exemplar que encontramos no armazém. Nem sabíamos que existia, mas com a preparação da Feira do Livro demos com ele. Estava prometido a uma rapariga que já era suposto ter vindo buscá-lo. Mas se quiser mesmo o livro, vendo-o a si”. Encantado com o “glamour” da cena, que nem um agente secreto ou colaborador da máfia, sem hesitação disse: “ Mas é claro que quero “mesmo” o livro”! Juro que o vendedor lançou um olhar comprometido à sua volta antes de se baixar e remexer numa caixa de onde retirou um exemplar novinho em folha de “Montanha mágica”! Mostrou-o e rapidamente meteu-o num saco que me entregou. Uma alegria imensa apoderou-se de mim, não poderia ter escolhido melhor cenário nem argumento pseudo-cinematográfico para adquirir o livro. Paguei os 15€ que me pediu e sai dali como quem se afasta do local de uma troca comercial de duvidosa legalidade criminal.
Apenas retirei o livro do saco quando cheguei a casa. A minha primeira tentação foi começar a lê-lo de imediato, mas logo decidi que este livro merecia toda a minha atenção e dedicação e que tal só poderia conceder-lhe nas minhas férias. Aqui estou eu, radiante com as primeiras 100 páginas da “Montanha mágica” e posso acrescentar, vale bem todo o português gasto neste postal.  
publicado por O Carteiro às 15:01
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 20 de Agosto de 2008

My Girl is a Gretsch

Os bem-aventurados que forem à missa do dia 12 de Setembro em Portalegre, terão oportunidade de ver os encantos mágicos e incendiários desta menina!

publicado por O Carteiro às 00:57
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 12 de Agosto de 2008

All Sinners are Welcome...

 

The Big Church of Fire goes On The Road.

September 12.

CAE Portalegre.

 

All Sinners are Welcome...

 

 

http://www.myspace.com/thebigchurchoffire

 

 

 

 

 

"

publicado por O Carteiro às 14:12
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Facebook

José Almeida is a fan of

The Big Church of FireThe Big Church of Fire
Create your Fan Badge

.Fevereiro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

.links

.contador

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds