São cartas Senhor, são cartas! Depois de tocar a campainha, algo acontece. Não é o carteiro, mas há uma carta por abrir.

.posts recentes

. Ironia da realidade - Men...

. A ironia da democracia em...

. Não tenho paciência para ...

. Não tenho paciência para ...

. Não paciência para merdas...

. Ñão tenho paciência para ...

. Love in trash can

. End of watch

. O pecado numa dentada de ...

. Hotel Georgian

.arquivos

. Fevereiro 2013

. Dezembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Abril 2012

. Outubro 2011

. Julho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Fevereiro 2011

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

.links

Quarta-feira, 27 de Fevereiro de 2008

O Terceiro Homem (feat. Dona Gertrudes 5º-Esq) - The Video

publicado por O Carteiro às 14:26
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 26 de Fevereiro de 2008

O Terceiro Homem (feat. Dona Gertrudes 5º-Esq)

No link anexo (que junto só por mera cautela de patrocínio...pois sei que o decoraram entretanto...), a homenagem e o reflexo da sociedade de tristes fêmeas abandonadas em tempos idos da Guerra da Ultramar. Na pessoa de da Dona Gertrudes do 5 - Esq.

http://www.myspace.com/thebigchurchoffire

publicado por O Carteiro às 12:34
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 17 de Fevereiro de 2008

Por Quem os Sinos Dobram - The video

 

Como prometido, aqui está o aguardado primeiro video clip dos The Big Church of Fire:

 

 

 

publicado por O Carteiro às 13:51
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|
Quinta-feira, 14 de Fevereiro de 2008

Por Quem os Sinos Dobram

Querem saber porque é que os Pink Floyd acabaram de anunciar que definitivamente não vão voltar a tocar? Pois bem, a razão é simples, não há espaço neste planeta para duas hiper-psica-metafísica-bandas! Pelo mesmo caminho, vão os AKA Moon que deram o último concerto da sua carreira na passada terça-feira.... Isto porque os The Big Church of Fire acabam de revelar ao Mundo o verdadeiro impulso demiurgo artistico!

Senhores e senhoras, os The Big Church of Fire têm o prazer de apresentar a maior trip sonora alguma vez concebida: "Por quem os sinos dobram". Não sejam anjinhos e dêem um salto a http://www.myspace.com/thebigchurchoffire!

Brevemente, a maior surpresa de todas, o videoclip dos The Big Church of Fire que contou com a colaboração e orientação muito especial de... David Lynch*, que actualmente já é um dos amigos pessoais da Banda!

PS - Ok, já podem fechar a boca de pasmo!

*Sim, é verdade, nós fomos uns dos privilegiados que tivemos oportunidade dialogar com o David quando ele esteve cá no passado dia 17 de Novembro.. inveja é uma coisa feia...

publicado por O Carteiro às 14:55
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Segunda-feira, 11 de Fevereiro de 2008

From 8 to 7: "Life can only be understood backwards; but it must be lived forwards." Kierkegaard

Para quem ainda não tenha prestado atenção suficiente, também sou dado a simbolismos, misticismos e esoterismos e outros ismos análogos. E estes ismos todos fazem sentido neste momento particular da minha vida e servem de mote ao meu postal de despedida a 2007 e de vénia a 2008... embora com o habitual delay a que já habituei os meus correspondentes... mas, lá dizia o Einstein, tudo isto é relativo, estou seguro que num universo paralelo qualquer, 2008 ainda está a começar...
 
Ora bem, começando por uma abordagem pessoal a 2007, seleccionei 7 eventos que neste momento pululam como mais relevantes. Curiosamente, todos eles acabam por estar relacionados com “o evento” que simbólica e literalmente marcou a passagem de 2007 para 2008, e como não poderia deixar de ser envolve a maior magia deste Mundo, o que não é de admirar já que estou a falar da “Feiticeira”. Sem necessitar de recorrer a metáforas, posso dizer que estava escrito na palma da minha mão e nos astros deste universo mesmo antes de acontecer.
 
Então, recapitulando:
·      Evento Primeiro – Califórnia/USA – Eu sabia que esta viagem seria importante para mim, mas confesso que estava longe de alcançar o seu significado. Importante e especial quer na sua concepção, como na sua realização e ainda mais nos efeitos secundários extra-territoriais que se continuam a produzir. Acho que sobre a viagem não sou capaz de dizer muito mais do que disse neste postal, mas as memórias visuais são fortes e invariavelmente levam-me para dentro do Pontiac vermelho..
 
·      Evento Segundo - Golf Preto – Se falo de Pontiac vermelho, não posso deixar de falar do meu Golf preto.. Sei o que estão a pensar, mas que raio de consumista que escolhe a compra de um carro como momento do ano. Pois, too bad. A verdade é que foi uma das melhores coisas que fiz. Durante 5 anos foi repetindo para mim próprio que era muito bem possível viver em Lisboa sem ter carro, que os transportes públicos permitiam fazer todo o que queria e que ter um carro era apenas um comodismo.. Bullshit.. Desde que comprei o carro posso dizer que a minha qualidade de vida deu um “quantic leap” ou ainda mais.. aliás, se não tivesse carro não poderia ter feito/fazer as coisas que neste momento me dão mais prazer.. aliás, sem Golf preto, o saldo de 2007 seria substancialmente diferente para pior. Por isso, também aqui não se deixem enganar pelos extremistas ambientalistas... Aliás, aproveito para recordar o prazer das diversas idas à Costa, as viagens Lisboa/Azagães/Lisboa com as saborosas paragens em Leiria na companhia da Toquinhas, Saozinha, Sininho e Princesa Inês (a minha nora), a “alucinada” viagem ao surf camp de Vale Figueiras, a mística viagem a Madrid ver a nossa Paula Rego aproveitando para visitar a NS de Segóvia, e claro, as viagens que permitiram o meu encontro com a Feiticeira, em especial o trajecto “praia dos Inglesinhos”/Boavista....
 
·      Evento Terceiro - The Big Church of Fire – Acho que aqui o lugar das palavras é tomado pelo som. O reencontro de Reverend Joe e o Louie The Pilgrim, 50 anos após o mítico concerto no Mississipi, que incendiou a vila de Biloxi, foi marcado pelo incêndio da Basílica de S. Petersburgo. Ou seja, estejam atentos, porque eles e o seu “Fogo” andam por aí e igrejas são coisa que não falta neste cantinho à beira mar plantado...  
 
·      Evento Quarto - Copenhaga e Malmo – Ao contrário da viagem aos EUA, neste caso, não tive de planear nada, apenas usufruir do planeamento e da companhia do “trio fumegante”, pelo que só poderia ter corrido da forma como correu, isto é, muito cool e com muito “Sol” por todo lado. Ficou a promessa de regresso à Escandinávia muito em breve, pois ainda há muito “sol” por descobrir!
 
·      Evento Quinto - Marrocos – A minha primeira “surf trip”. E acho que teve todos os ingredientes que uma surf trip deve, excepto as ondas! Mas dado o meu nível de surf da altura, também esse facto acabou por ser relativizado. Marrocos também deixou uma boa impressão e o regresso está prometido.
 
 
·      Evento Sexto - Salto Tandem – Momento rock&roll do ano. Sem que precisasse, mostrei a mim próprio que sou capaz de me surpreender. Com vertigens ou sem elas, receio de fatalismo, lancei-me na experiência mais radical da minha vida (até ao momento... claro), no momento em que “me lancei” (não fui bem eu que tomei a decisão...) do avião com nuvens a perder de vista como cenário  
 
·      Evento Sétimo – Gala das Sete Maravilhas – Bem, este momento está aqui, não tanto pela Gala em si, mas pelo facto de eu me ter divertido imenso numa tribuna vip do Estádio da Luz (!).. falando mal do Benfica e gritando a certa altura “Biba o Porto”, enquanto bebia um copinho de espumante servido por um benfiquista..!! Aposto que devem imaginar o rejubilo do meu espírito retorcido!!
 
 
Top Filmes
·      Little Miss Sunshine – Sem dúvida, a minha escolha para o meu “óscar” pessoal. Simples e intenso, sem pretensiosismo desnecessários.
·      Inland Empire – Ficará marcado pela compra do “Sickness unto death”. Dois murros directos na minha capacidade cognitiva foram suficientes para ficar aparvalhado e maravilhado com as três horas de instinto cinematográfico.
·      A vida dos outros – Ainda que os últimos 10 minutos tenham feito descer a cotação, a verdade é que, nos restantes minutos, foi capaz de capturar a minha atenção e a minha simpatia.
Nota: Tenho que fazer o reparo de que, pessoalmente, 2007 não foi lá um grande ano em termos de filmes, e, por isso, sem prejuízo do que ficou dito, espera-se que 2008 traga melhor colheita.
 
Top álbuns
·      Black Rebel Motorcycle Club “Baby 81” – O meu descrédito em relação à crítica musical já não pode bater mais no fundo. E prova disso é o facto de este álbum ter passado completamente ao lado da maioria das listas do melhor de 2007.. pior do que isso só mesmo o facto de os BRMC terem passado ao lado de Portugal.
·      Arcade Fire “Neon Bilble” – Este não passou ao lado da crítica, depois de comprovado o movimento hype com estes senhores canadianos.. Eu não me importo, já sou “suficientemente eclético” há tempo suficiente para conseguir conviver com o contágio das massas. Mas o contágio passa, e a música fica.
·      Kula Shaker “Strangefolk” – Uma escolha muito pessoal, mas o facto de regressarem é suficiente para os colocar nesta lista.
 
 
 
Top eventos musicais
·      Arcade Fire – Directamente para o segundo lugar dos melhores concertos de sempre que tive oportunidade de assistir. Simplesmente fenomenal, nem eu próprio estava à espera que corresse tão bem, face à qualidade do trabalho de estúdio. Mas estes senhores têm o “Fogo” com eles.
·      White Stripes – Têm como valor extra, o facto de entretanto se ter inviabilizado a possibilidade de os ver ao vivo, e, nestas coisas, já se sabe, por mais básica que fosse a Meg White, não é possível ver os White Stripes sem a Meg (como fica também demonstrado no que toca aos SP). Foi um excelente concerto, com toda a alma rock&roll América. Viva a América!
·      Smashing Pumpkins – Valeu pelo aspecto simbólico de ver a “banda” da minha “juventude”. Infelizmente a magia foi quebrada já há muito tempo, e tenho de viver com a fatalidade de não ter assistido ao mítico concerto da Praça de Toiros de Cascais. Sim, os Smashing nunca mais foram os Smashing, após o episódio do “despedimento” do Jimmy Chamberlain. Em todo caso, foi muito bom ouvir de novo canções como 1979, rocket, today... embora, entretanto, o “Fogo” tenha deixado de acompanhar a voz do Billy Corgan.
 
Para terminar, escolhi um dos pedaços da minha escrita durante 2007, o qual tem a virtualidade de ser capaz de me surpreender a mim próprio:
 
“As reviravoltas das abelhas, tão rápidas e incoerentes, parecem desenhar no espaço figuras matemáticas precisas e constituem uma linguagem. Idealizo escrever um romance no qual todos os encontros que um homem tem durante a sua existência, fugazes ou importantes, conduzidos por aquilo a que chamamos o acaso, ou pela necessidade, desenhassem igualmente figuras, exprimissem ritmos e fossem o que talvez sejam: um discurso sabiamente planeado, dedicado a uma alma para que se realize totalmente, e de que esta não apreende, ao longo da vida, mais do que algumas palavras sem continuidade.
Por vezes julgo abranger o sentido deste bailado humano à minha volta, adivinhar que alguém me fala através do movimento dos seres que se aproximam, se detêm ou se afastam.
Depois perco o fio à meada, como toda a gente, até à próxima grande e no entanto fragmentária evidência”.
 
Resoluções para 2008
 
Em número de 7, aqui estão elas:
·      Regresso aos EUA
·      Tatuagem
·      1º concerto dos “The Big Church of Fire” (primeiro de muitos, claro)
·      Rafting
·      Correr a meia-maratona de Lisboa (e não a mini!)
·      Concluir o meu trabalho sobre “Instrumentos Financeiros Derivados”
·      Concluir o meu livro “Sem luz, sem diferença”.
 
No final de 2008, darei conta dos objectivos alcançados neste ambicioso “Business Plan”.
publicado por O Carteiro às 14:21
link do post | comentar | ver comentários (7) | favorito
|
Sexta-feira, 1 de Fevereiro de 2008

Alguns disparates meus a despropósito

“O ministro das Finanças afirmou hoje que as operações suspeitas de serem ilícitas praticadas pelo BCP foram urdidas de maneira a escapar à supervisão e que os responsáveis do banco tinham a obrigação de saber e de denunciar as irregularidades. «Foi uma operação bem urdida e definida para escapar à supervisão», disse Teixeira dos Santos”.
 
Ui..não me diga.. mas mesmo urdidas para escapar à supervisão? Quem diria! Malvados dos administradores do BCP que não avisaram que iriam cometer alegadas irregularidades. Toda a gente sabe que se deve ligar os piscas quando se vai cometer uma irregularidade. Mas espere lá, se foram bem urdidas, se calhar eles não acharam bem denunciá-las... digo eu. Por outro lado, se calhar não o fizeram porque sabiam que não valia a pena, tendo em conta que em 2005 o BPI tinha denunciado algumas operações e... hum, como pôr as coisas,... hum.. o elefante passou entre a chuva como se estivesse o céu limpo.. aliás, eu sonhei que os responsáveis da CMVM tinham decidido assobiar para o lado quando chegaram as irregularidades e apostar forte em coisas tão bem feitas como a revisão do “Código das Sociedades Comerciais” ou então o monumento ao aborto jurídico consubstanciado no “importantíssimo” “Código do Governo das Sociedades (atenção, a fronteira entre a ironia e o cinismo nestas frases é de difícil distinção).
 
“O ministro das Finanças considerou hoje que a supervisão financeira não falhou no caso do BCP e recuperou afirmações feitas pelos supervisores para dizer que o banco prestou informações falsas e era impossível encontrar a informação por outras vias.
«No caso BCP, não havia condições para obter informação por outra via que não fosse a pedida ao banco dado que as 'off-shores' estavam nas ilhas Caimão», ou seja, fora das «jurisdições cooperantes», revelou o governante na Comissão Parlamentar de Orçamento e Finanças”.
 
Não havia condições certamente.. o engraçado é que não consta que o Berardo tenha ido às Ilhas Caimão para obter essa informação, aliás, o mais engraçado é que muita dessa informação já era mencionada na denúncia do BPI.. mas, dou o benefício da dúvida, talvez não tenham o usado os piscas para assinalar a irregularidade..
 
O ministro das Finanças considerou hoje que a supervisão financeira não falhou no caso do BCP e recuperou afirmações feitas pelos supervisores para dizer que o banco prestou informações falsas e era impossível encontrar a informação por outras vias.
Claro que não, até devia era receber um prémio! Aliás, ficamos a saber que felizmente a Administração Pública tem uma confiança ilimitada nos cidadãos: “o cidadão é bom cidadão, cidadão não presta informação falsa”. Aliás, o sistema penal deveria ser totalmente reformado para apenas aceitar a confissão expressa e sem reservas como único meio de prova.
 
“Teixeira dos Santos, que a comissão insiste em ouvir também como antigo presidente da CMVM, disse que lidou com »centenas e centenas de pedidos de informação«, pelo que »não é de esperar que tenha de memória este ou aquele«.
«Não tenho por hábito fotocopiar documentos antes de deixar os lugares que ocupo», disse o ministro, que lembrou também estar sujeito ao dever de sigilo, de acordo com o código dos valores mobiliários, para se escusar a entrar em informação sobre a altura em que presidiu á CMVM”.
A memória é tramada.. se calhar os administradores do BCP também sofriam do mesmo problema. Ainda se vai descobrir que anda por aí um vírus tramado. Só espero que na Máfia eles não venham a ser atingidos pelo vírus, pois eles têm uma política mais rigorosa quanto ao tratamento de documentação. Aliás, é sabido que os documentos só atrapalham.. Mas espere lá, invocação de sigilo profissional.. ah, está tudo explicado sr. Ministro, afinal os administradores do BCP não contaram nada porque estavam a cumprir escrupulosamente a Lei e a proteger o sigilo bancário. Vê sr. Ministro, tudo tem uma explicação plausível, são tudo bons rapazes.
 
(e para terminar, o Rei dos Badochas)
 
“O sistema neoliberal está podre. A economia de casino dos off-shores e das roubalheiras só trouxe desastres e escândalos. É preciso mudá-la." – Mário Soares
 
Começo por discordar e notar alguma ignorância do “guru da democracia portuguesa”.. dado que nunca tivemos liberalismo, dificilmente poderemos ter neoliberalismo.. e acabo a concordar, mas aposto que o “guru” ficaria de bochechas “encarnadas” por ouvir dizer que o sistema está podre (infelizmente o sistema socialista) ... a começar pelo financiamento de certas e determinadas fundações... Só tenho pena que não haja mais desastres e escândalos.. assim, quem sabe, existia uma pequena hipótese das coisas mudar..
Agora a propósito, e porque tenho tiques de bondade, aqui fica "All you do is talk"... ora nem mais:
publicado por O Carteiro às 10:19
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Facebook

José Almeida is a fan of

The Big Church of FireThe Big Church of Fire
Create your Fan Badge

.Fevereiro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

.links

.contador

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds