São cartas Senhor, são cartas! Depois de tocar a campainha, algo acontece. Não é o carteiro, mas há uma carta por abrir.

.posts recentes

. Ironia da realidade - Men...

. A ironia da democracia em...

. Não tenho paciência para ...

. Não tenho paciência para ...

. Não paciência para merdas...

. Ñão tenho paciência para ...

. Love in trash can

. End of watch

. O pecado numa dentada de ...

. Hotel Georgian

.arquivos

. Fevereiro 2013

. Dezembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Abril 2012

. Outubro 2011

. Julho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Fevereiro 2011

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

.links

Sexta-feira, 29 de Dezembro de 2006

Argentina … yo tambien te amo

argentina.jpg


O título não deixa enganar relativamente ao sentimento despertado por estas férias (merecidas, diga-se em abono da verdade!) nesse país fantástico que é a Argentina. Mesmo com elevadas expectativas, a verdade é que elas foram largamente ultrapassadas, justificando os muitos eurinhos (dólares americanos e pesos argentinos….) gastos. E ainda assim, apenas conheci um pedacinho daquilo que na verdade é a Argentina.


Começando pelo início, Buenos Aires. As primeiras impressões foram confusas, especialmente porque a chegada foi feita de noite e a rua (com um nome que ainda agora tenho dificuldades em pronunciar e mesmo escrever.. Hipólito Yorigogen… ou qualquer coisa parecida) do nosso hostel era um pouco assustadora (as três “brasitas” certamente concordarão comigo..), a fazer lembrar as ruas de Brooklin (pelo menos como retratadas nos filmes).


Mas depois de assentado o arraial, as coisas começaram a melhorar, sobretudo pelo contacto com a comidinha argentina que deixou muitas saudades, justificando uma abstinência voluntária de carne nos próximos tempos, até para evitar que eu comece a chorar quando colocarem no meu prato um “pseudo-raquitico” bife intitulado como o melhor que há… hum, não é possível estabelecer comparações com aquele bife à pimenta que comi em Puerto Madryn….


Buenos Aires de dia impressiona pelo seu ar europeu. Estava à espera de uma cidade decadente, de arquitectura “terceiro mundista”, mas encontrei uma cidade cheia de vida, numa das cidades com melhor organização urbanística em que já estive. Outra coisa que impressiona é a quantidade de espaços verdes, bem como a limpeza das ruas (sem o famoso “cocozinho” de cão que infelizmente graceja pelas ruas de Lisboa). Mas também é verdade que Buenos Aires é uma cidade gigante e que eu estou a referir-me ao centro (que também é gigantesco). As partes mais afastadas já não gozam do mesmo glamour cosmopolita que refiro. Pelo contrário. Tive a oportunidade de experimentar esse “choque” no passeio que fizemos até ao bairro de “La boca” (sim, onde está situado o estádio do Boca Juniores – o Benfica lá do sítio! - que perdeu o tri-campeonato de forma incrível e que me deu especial gozo, vá-se lá saber porquê!! … Viva o Estudiantes de la Plata!!). Esse dia também ficou marcado pelo curioso episódio do táxi que começou a fumegar no seu interior!! Aproveito para fazer um elogio à honestidade e simpatia dos taxistas argentinos, por contraposição aos “fogareiros” de Lisboa.. salvo raras excepções.


Como curiosidade, há a registar o cemitério de “La recoleta”, lugar de peregrinação turística, graças ao glamour de Evita Perón. Mas não só, este cemitério impressiona pela ostentação, cada campa parece pretender competir com as demais em tamanho e requinte. Foi bizarro o cenário assim como a minha conversa com um transexual sobre o famoso mate de que eu fiquei fã… do mate, entenda-se! Inclusivamente estou neste momento a bebericar um mate preparado à modo do cozinheiro Xaxo, que não é transexual, mas foi uma personagem incontornável da viagem (mas mais lá para a frente).


Seguiu-se Puerto Madryn e o avistamento de baleias, elefantes marinhos e pinguins (aos milhares…). Sem dúvida, o avistamento das baleias foi o momento alto. É impossível não ter respeito e ao mesmo tempo “carinho” na presença destes gigantes dos oceanos, especialmente quando as baleias mães estavam na companhia das suas crias. Já dos pinguins a imagem que retenho não é a mais “querida”… sim, fiquei impressionado pelo seu jacto esverdeado! .. e mais não digo!


De seguida, fomos para Ushuaia, o fim do mundo… Penso que foi o lugar que mais me impressionou e onde “registei” algumas das mais belas paisagens desta viagem. Foi também aí que descobri os encantos do “trekking” que no fundo mais não é do um eufemismo para “caminhar que se farta”!! Para um adepto das mini-maratonas, é apenas uma forma diferente do mesmo desafio, com a vantagem do deleite das paisagens fantásticas da Patagónia!


Depois, El Chatén, o “paraíso” do trekking!! Onde era suposto vermos o Monte Fitz Roy, mas não tivemos sorte, pois ele esteve encoberto pelo nevoeiro o tempo todo. Ainda assim podemos ver o glaciar que também é uma das imagens impressionantes que retenho da viagem. Ah, também a registar a descoberta de que afinal gosto carne de cordeiro! Pelo menos, carne de cordeiro argentino.. hum… E waffer com dulce de leche….


Próxima paragem, El Calafate que terá sempre um lugar especial nas memórias desta viajem, graças sobretudo ao hostel onde ficamos e que recomendo “América del Sur”… Não só em termos de condições, mas claro, sobretudo ao nível das pessoas que lá trabalham, para as quais não há adjectivos suficientes para caracterizar a atenção, o carinho e a paciência (é preciso dizê-lo!!) com que nos trataram. É aqui que entra o cozinheiro Xaxo e a memorável festa de aniversário da saozinha eléctrica (com direito a bolo de chocolate com dulce de leche!!). Mas El Calafate também ficará marcada pela experiência de caminhar no glaciar Perito Moreno.


Seguiu-se o saltinho até ao Chile, mais precisamente a Torres del Paine, para mais uma aventura de trekking e muito mais! Mais uma vez tivemos azar com as condições climatéricas, mas em compensação, tivemos um serão inesquecível na companhia de um grupo de militares ingleses num refúgio da montanha, enquanto se desenvolvia um temporal lá fora. Claro que nesta história não posso esquecer os créditos devidos ao vinho chileno!! Não só pelo “colorido” que deu à noite, mas por ter sido capaz de converter a bailarina eléctrica aos encantos de Baco… o estranho é terem sido ingleses a consegui-lo. A noite ficou também marcada pela morte de Pinochet que foi celebrada de uma forma curiosa ao som de “hotel califórnia”, em que a letra foi praticamente substituída por uns mais compreensíveis “lalalalalalala”!


Depois, já sem a companhia das três brasitas, regressei a Buenos Aires, para dois dias de calor antes do regresso ao frio de Portugal (responsável pela minha imediata constipação à chegada!). Sem querer desvalorizar a companhia das três brasitas (muito pelo contrário…), foi bom poder deambular sozinho pelas ruas de Buenos Aires e descobrir os encantos do dia-a-dia da cidade e conversar com estranhos só pelo prazer de conversar.


Para concluir, adorei a Argentina e o povo argentino (foi bom saber que existem falantes da língua espanhola que não passam o tempo a gritar e a dizer “puta madre” e outras expressões afins. Imaginem lá que a maioria dos argentinos jovens sabe falar de forma compreensível inglês e ouve a mesma música que nós!! E não há touradas! É bom saber que aqui chegou um pouco mais de civilização do que na “metrópole espanhola”).


 


 


 

publicado por O Carteiro às 15:00
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|

E esta, hem?

11.jpg


Quem é que se lembra da minha fase "Dave Grohliana"? Numa fase de disparates, mais um até passa despercebido. Já só penso nas resoluções de ano que vão mudar radicalmente o rumo da minha vida... onde já ouvi isto?


Well, continuo sem escrever o postal sobre a Argentina... quer dizer, continuo sem fazer uma série de coisas que deveria fazer...


"What have we done with innocence
It disappeared with time
it never made much sense
Adolescent resident
wasting another night on planning my revenge


One in ten
don't want to be your monkey wrench
one more indecent accident
i'd rather leave than suffer this
I'll never be your monkey wrench


All this time to make amends
what do you do when all your enemies are friends
now and then I'll try to bend
under pressure wind up snapping in the end


One last thing before I quit
I never wanted any more
than I could fit into my head
I still remember every single word you said
and all the shit
that somehow came along with it
still there's one thing that comforts me
since I was always caged and now I'm free


fall in fall out"


 

publicado por O Carteiro às 01:10
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Quarta-feira, 27 de Dezembro de 2006

Uma imagem vale mil palavras?

PM_Blog.JPG


Espero bem que sim, pois ainda não encontrei maneira de escrever o prometido postal sobre a Argentina.


PS. Imagem fantástica (digo eu...) de um "despegamento" do glaciar Perito Moreno.

publicado por O Carteiro às 14:48
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 26 de Dezembro de 2006

Bom Natal

Oh Oh Oh
... e está tudo dito..
publicado por O Carteiro às 10:06
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 16 de Dezembro de 2006

Regresso

De novo, em solo lusitano... em breve um postal sobre o país do sol celeste, da quilmes, do dulce de leche e coisas afins, bem como sobre a celebração da morte do pinochet numa cabana perdida numa montana durante um temporal...
publicado por O Carteiro às 20:02
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|
Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2006

Argentina

Simplesmente Argentina
Ps E um bocadinho do chile e quem sabe se ainda uruguai..
Beijos e abracos
publicado por O Carteiro às 02:58
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Facebook

José Almeida is a fan of

The Big Church of FireThe Big Church of Fire
Create your Fan Badge

.Fevereiro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

.links

.contador

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds