São cartas Senhor, são cartas! Depois de tocar a campainha, algo acontece. Não é o carteiro, mas há uma carta por abrir.

.posts recentes

. Ironia da realidade - Men...

. A ironia da democracia em...

. Não tenho paciência para ...

. Não tenho paciência para ...

. Não paciência para merdas...

. Ñão tenho paciência para ...

. Love in trash can

. End of watch

. O pecado numa dentada de ...

. Hotel Georgian

.arquivos

. Fevereiro 2013

. Dezembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Abril 2012

. Outubro 2011

. Julho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Fevereiro 2011

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

.links

Segunda-feira, 31 de Julho de 2006

I’m insane … and i like it! (“Everybody knows that you are insane”)

Na minha opinião, as metáforas encerram em si o segredo da alquimia da transformação do chumbo em ouro. E para ambas as coisas, é igualmente necessária a loucura de acreditar. A loucura não é doença quando não se quer a cura, pois é tudo uma questão de ponto de vista (“Point of view”). Tenho um amigo que costumava dizer que o sonho dele era ser “parcialmente” louco, pois só parcialmente louco se podia ser “plenamente lúcido”. Ressalvadas as distâncias, até por consideração ao personagem em causa (autor do sucesso da Queima das Fitas 2000 “Larguem-me, larguem-me, sou uma besta”), penso que efectivamente só pode ser saudável lidar com a nossa própria loucura (“Santeria”), quando mais não seja para conhecer as fronteiras da nossa lucidez. Estou convicto que essas fronteiras não são assim tão claras e que passamos demasiado tempo a demonstrar aos outros e a nós próprios que conhecemos os limites e, mais importante, que jamais os ultrapassamos (no fundo, o mito do homem moderno).


Confesso que por vezes receio a minha incapacidade de fazer uma verdadeira introspecção para ajuizar dessas fronteiras (“Bones”). Como costumo de dizer, e ao contrário de outras pessoas, eu acho que não sou o melhor juiz de mim próprio (vício de profissão, quiçá?). Mas também como costumo dizer, isso não me impede de ser o primeiro juízo crítico em relação aos meus traços de personalidade (“Dreaming”). E nessa imperfeição, proporcionada pela relação sujeito/objecto (sim, discordo do autor de “Nós” que afirma que não podemos ser objecto e como tal, entre outras coisas, dispor da nossa liberdade… mas já estou a “divagar”, esta discussão fica para outra altura), penso que sofro de alguma saudável loucura (“The greatest view”)


 


PS – Os parêntesis e as aspas ficam para aqueles que partilham a loucura da música e que facilmente descobrirão a metáfora por detrás da arbitrariedade da minha.  

publicado por O Carteiro às 00:31
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
|
Sexta-feira, 28 de Julho de 2006

Provocação

“Todas as mulheres são pegas; o que é preciso é servirmo-nos delas e não lhes dar nada de nós próprios” –Guy Maupassant – “Bel-Ami”


 


Não é impressão, esta introdução é mesmo provocatória! Era isto ou falar de sexo, como medida ao fomento da liquidez de comentários no blog.


 


Acabei de ler há dias o livro supra citado e devo dizer que, segundo os meus planos, será um dos últimos romances que tenciono ler nos próximos tempos. O último será mesmo o “Werther” de Goethe. Não foi intencional, mas é curioso que tenha escolhido como último romance uma obra do pai do romantismo. Como em tantas outras coisas, os extremos tocam-se.. Mas deste livro falarei noutra oportunidade.


A verdade é que a leitura sendo um prazer que muito me deleita, acaba por ter efeitos laterais perniciosos. Quer dizer, se calhar não são efeitos, mas mais causas. A leitura acaba por coincidir com alguma apatia intelectual, preenchendo o espaço vazio das reflexões que se deixam de fazer. Por vezes receio que o apetite por ler, nomeadamente romances, acabe por se traduzir numa vontade de apatia. A estas reflexões junta-se uma outra leitura que me tem inquietado o espírito e que tem esta curiosa mas provocatória passagem:


“E como pode a nossa psicologia, tal como ela se exprime no romance, manter-se tão fechada, reduzida a movimentos infraconscientes da sensualidade e da sentimentalidade? Enquanto milhares de seres civilizados abrem livros, vão ao cinema ou ao teatro para saber de que maneira Françoise se sentirá impressionada por René e como, por outro lado, odeia a amante do pai e se tornará lésbica por surda vingança, vários investigadores, que fazem com que os números entoem uma música celeste, perguntam a eles próprios se o espaço se contrai ou não em redor de um círculo” – Louis Pauwels e Jacques Bergier “O despertar dos mágicos”.


 


Aceitam-se novas propostas de leitura…


 


PS – Acabei por falar de sexo… liquidez de mercado a quanto obrigas!!

publicado por O Carteiro às 16:26
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
|
Quinta-feira, 27 de Julho de 2006

Facto Relevante

Ao abrigo do artigo 248º do Código dos Valores Mobiliários, face aos rumores gerados pela comunicação social, venho imformar ao mercado e ao público em geral que ainda estou vivo.
publicado por O Carteiro às 17:23
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Terça-feira, 18 de Julho de 2006

Sometimes

12.jpg


Eu não gosto particularmente de molho agri-doce, mas confesso a minha simpatia pelo conceito. Algumas vezes nada faz sentido, tudo é incoerente, tudo é agri-doce, e ainda bem que é assim.


 


A incoerência não é um problema. O problema que revejo nos “outros” e em mim próprio é a incapacidade de aceitar a incoerência da mesma forma que se aceita com naturalidade a coerência. Penso não estar a dar nenhuma novidade, quando digo que entre aquilo que pensamos ser e aquilo que somos vai quase que inevitavelmente uma enorme distância, por mais incoerente que isso possa parecer. Na verdade, a essência humana é incoerente, perdida entre o animal e o racional, sem que exista, na verdade, incoerência alguma. Pois eliminar a incoerência seria negar a própria existência da espécie humana (eliminando um dos termos da incoerência, apenas nos restaria voltar para a selva ou então desaparecer).


 


Todavia não será a(s) incoerência(s) a parte mais fantástica da nossa existência, onde as possibilidades de realização são mais fantásticas? Quantas incoerências fantásticas não ficarão por explorar no nosso dia-a-dia? Não será a própria felicidade uma forma de incoerência?


 


Mas então porque tudo este esforço (diria que civilizacional, mas seria pretensioso, pois na verdade) de ser lógico, a necessidade de convictamente construir uma máscara de razões e princípios, nos quais, com alguma frequência, vamos entrando em contradição (diria mesmo que à medida que os anos avançam, o ritmo da frequência vai aumentando). E quantas coerências elaboradamente construídas e fabulosas nos impedirão de alcançar aquelas coisas que apenas por intermédio da incoerência se tornam verdadeiramente reais?


 


 


Pois é. Não estou mesmo a fazer sentido e ainda assim, ao sabor agri-doce dos Hooverphonic, sinto que sometimes o melhor é mesmo cantar desafinado (no meu caso, a única forma que tenho para cantar)


 


Why dont you ever get the point
Youre much too slow for me
Why dont we ever flip our coin
Reliability

Some like it a lot
Just give a little to me
Thats why I sing this song

They call us crazy early birds
Too early never hurts
Warmth is not as dangerous as
As dangerous as those words

Some like it a lot
Just give a little to me
Thats why I sing this song

(chorus)
Sometimes
Weve got to sing this song
Sometimes
It takes us way too long
Sometimes
Weve got to sing out of key

Winter never gets me down
Its just a feeling
Feeling fine
To care for you or not to care
A goddamned thin thin line

Sometimes...


 


 

publicado por O Carteiro às 01:03
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|
Quinta-feira, 13 de Julho de 2006

white strip ... between green and red stripes

images.jpg


O seu pedido, o meu prazer....


Seven Nation Army


I'm gonna fight 'em off
A seven nation army couldn't hold me back
They're gonna rip it off
Taking their time right behind my back
And I'm talking to myself at night
Because I can't forget
Back and forth through my mind
Behind a cigarette
And the message coming from my eyes
Says leave it alone

Don't want to hear about it
Every single one's got a story to tell
Everyone knows about it
From the Queen of England to the hounds of hell
And if I catch it coming back my way
I'm gonna serve it to you
And that ain't what you want to hear,
But that's what I'll do
And the feeling coming from my bones
Says find a home

I'm going to Wichita
Far from this opera for evermore
I'm gonna work the straw
Make the sweat drip out of every pore
And I'm bleeding, and I'm bleeding, and I'm bleeding
Right before the lord
All the words are gonna bleed from me
And I will think no more
And the stains coming from my blood
Tell me go back home

publicado por O Carteiro às 10:01
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|
Segunda-feira, 10 de Julho de 2006

Viva Portugal!

Va fan cullo, stronzi Francesi! Vendeta!!


 


Eu sei que é capaz de não ser a atitude mais “adulta”, but who cares? If someone cares, sorry for the disappointment, but I don’t!


Posso dizer que hoje, graças à minha t-shirt de Itália, já devo ter sido confundido algumas vezes com algum italiano e olhado com o respeito que se impõe ao campeão do mundo. Aliás, coisa a que já estou habituado, não fosse a t-shirt azul (e che bello azzurro, dai!)!


 


Ciao Itália, ti voglio benne!!


 


PS. Como disse o taxista: “Se não fosse aquele árbitro, podíamos ter sido campeões, carago! Viva Portugal!!

publicado por O Carteiro às 01:06
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|
Sexta-feira, 7 de Julho de 2006

Snow Cherries From France

B0000CC6QG.01._AA240_SCLZZZZZZZ_.jpg


Não é coincidência, mas bom gosto... da saozinha!!


I knew a boy who would
Not share his bike
Oh but he let me go sailing
I swore that I
Could survive any storm
Oh then he let me go

"Can you launch rockets from here?"
Boy I've done it for years
Right over my head
And when I promised my hand
He promised me back
Snow Cherries from France
All that summer
We traveled the world
Never leaving his own bck garden
Girls I didn't know
Just what it could be
Oh but he let me go sailing

You question me
"Can you ride anything?"
Lord do you mean like your mood swings
Invaders and Traders with
The best intentions
May convince you to go
"They look like pirates from here"
Boy I've been one for years
Just keeping my head
And when I promised my head
You promised me back
Snow Cherries from France

All that summer
We traveled the world
Never leaving his own bck garden
Girls I didn't know
Just what it could be
Oh but he let me go sailing

And then one day he said
"Girl it's been nice,
Oh but I have to go sailing"
With cinnamon lips
That did not match his eyes
Oh then he let me go


 

publicado por O Carteiro às 00:37
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Quinta-feira, 6 de Julho de 2006

Dom Casmurro, Klimt e cerejas francesas

Confesso: Eu não gosto de franceses (Phillipe, se estiveres por aí, não leves a mal… bem isso não deve ser um problema, uma vez que já te vês grego para perceber inglês…. Bem, talvez esta metáfora seja um bocadinho de mau gosto). Mas é verdade, conjuntamente com belgas francófonos (Katarina, repara bem na distinção), são pessoas que, fruto da minha experiência pessoal, causam a maior repugnância (hipérbole, entenda-se). Estando aqui a afogar as minhas mágoas a comer cerejas, não consigo deixar de fazer uma comparação entre os franceses e as cerejas podres que vão estragando este meu momento gastronómico… daí as cerejas francesas, podres, entenda-se…


Quanto ao Klimt, é uma referência subtil ao filme que fui ver no passado domingo. Também sou obrigado a fazer uma confissão: ainda hoje não sei bem se posso dizer que seja um bom ou menos bom filme. Por isso, prefiro utilizar um adjectivo alternativo, é um filme interessante (é o mesmo que digo de Berlim… mais uma vez, talvez este não seja o momento apropriado para falar desta “interessante” cidade). Eu sei que estou sempre a fazer ressalvas às minhas capacidades intelectuais, mas acho que tenho de voltar a fazê-lo para tentar concretizar a minha apreciação sobre o filme. A fotografia do filme desiludiu-me, estava à espera de um filme “ambíguo e brilhante”, como o são os quadros do Klimt, mas a fotografia do filme revelou-se com pouco brilho, demasiado diálogo e pouco espaço para interpretação visual (se é que isto faz algum sentido para os meus queridos leitores… eu próprio duvido se estou a fazer sentido). Pelo menos, salvou-se o carácter de ambiguidade de que estava à espera!


E quanto ao Dom Casmurro? Não, não estava a pensar falar de mim! Estou certo que ninguém pensou que me estava a referir a mim! “Dom Casmurro” é o título do livro do escritor brasileiro Machado Assis que acabei de ler. Queridos amigos brasileiros, eu não quero criar mais nenhum acidente diplomático, mas tenho de confessar que fiquei um pouco desiludido. Tinha muita curiosidade em ler o livro, pois o escritor é tido como um dos maiores escritores brasileiros. Mas devo dizer que o livro não se mostrou muito à altura das minhas expectativas, uma vez que a narrativa se mostrou um pouco banal e as personagens, ao contrário do que poderia parecer, demasiado unidimensionais em termos psicológicos… confesso que as poucas novelas que vi durante a minha infância (mais uma confissão) deixam pouco espaço para poder retirar “deleite intelectual” de relevo da leitura do livro. Mas se calhar a culpa também seja das minhas expectativas. Devo dizer que os outros dois escritores que conheço (são três, mas a identidade do terceiro é propositadamente omitida, if you know what i mean…) – Jorge Amado e José Mauro de Vasconcelos – deixaram em mim uma bastante positiva imagem da literatura brasileira (“O meu pé de laranja lima” é um daqueles livros que me deixou sem palavras e com algumas …….. nos olhos). Malditas expectativas:


 


“Deus é o poeta. A música é de Satanás, jovem maestro de muito futuro, aprendeu no conservatório do céu” – “Dom Casmurro”, Machado de Assis

publicado por O Carteiro às 01:31
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|
Segunda-feira, 3 de Julho de 2006

E em n.º 4 ….

t_carlabruninuevas2.jpg


Carla Bruni! No seguimento do meu postal em que levei a cabo uma despromoção da Merche do famoso “Top 5 de mulheres muito interessantes”, a minha lista ficou com uma vaga, agora preenchida pela Carla (a familiaridade do discurso é, com muita pena minha, uma figura de estilo), enquanto uma das minhas cantoras preferidas. Eu já conhecia a sua “história”, mas nunca me tinha dado ao trabalho de procurar fotografias suas.


E a “história” é a seguinte: A Carla Bruni foi durante muito tempo uma top model até que um dia decidiu mudar de vida e lançar-se no mundo da música. Eu sei, à primeira vista, é uma receita com carimbo de indigestão. Uma modelo cantora?? (eu sei, dá quase um arrepio na espinha). Mas, felizmente, neste caso, e na minha opinião, vem desmistificar a ideia que as mulheres bonitas não têm bom gosto (ouviste bem, merche!!) e devem a sua beleza a um aperfeiçoamento genético à custa do sacrifício de outras capacidades, nomeadamente intelectuais. Para aqueles que ainda estejam desconfiados, a alternativa é mesmo ouvir um disco dela.


O curioso é que ela canta em francês e não em italiano, como seria de esperar (como sempre, existe uma excepção, e a letra da música que escolhi confirma isso mesmo, por ser metade em francês e metade em italiano). Sem dúvida que ela, juntamente com outra musa como a Llasa de Sela (um dia destes, tenho de lhe dedicar um postal), fazem que o francês ganhe uma musicalidade pouco habitual (french cant rock!).


Olhando para a minha lista, reparo que curiosamente a maioria é de nacionalidade italiana. Para os meus leitores, este facto talvez este facto passasse quase despercebido, mas para mim é curioso e até irónico. É que a minha ideia de beleza feminina italiana foi fortemente abalada durante o tempo que fiz erasmus em siena (embora, confesso, tenha sido objecto de uma considerável “reparação” na minha passagem por Ibiza… cidade, entenda-se. Já agora um conselho, se forem a Ibiza, podem levar uma flor no cabelo, mas não vão para São Domingo, especialmente agora que tramamos de novo os “bifes”!). Como estava a dizer, em Itália, fiquei desiludido por verificar que a beleza e o bom gosto italiano era um mito. Aqui, com particular destaque para os gajos italianos. Como dizia uma amiga minha, era como ter trolhas sem as obras de construção!!


 


Le ciel dans une chambre


 


Quand tu es près de moi,
Cette chambre n'a plus de parois,
Mais des arbres oui, des arbres infinis,
Et quand tu es tellement près de moi,
C'est comme si ce plafond-là,
Il n'existait plus, je vois le ciel penché sur nous... qui restons ainsi,
Abandonnés tout comme si,
Il n'y avait plus rien, non plus rien d'autre au monde,
J'entends l'harmonica... mais on dirait un orgue,
Qui chante pour toi et pour moi,
Là-haut dans le ciel infini,
Et pour toi, et pour moi

Quando sei qui con me
Questa stanza non ha piu pareti
Ma alberi, alberi infiniti
E quando tu sei vicino a me
Questo soffitto, viola, no
Non esiste più, e vedo il cielo sopra a noi
Che restiamo quì, abbandonati come se
Non ci fosse più niente più niente al mondo,
Suona l'armonica, mi sembra un organo
Che canta per te e per me
Su nell'immensità del cielo
E per te e per me.
mmmhhhhhhhh
Et pour toi, et pour moi.
mmmhhhhhhhh


 


 

publicado por O Carteiro às 01:41
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|
Facebook

José Almeida is a fan of

The Big Church of FireThe Big Church of Fire
Create your Fan Badge

.Fevereiro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

.links

.contador

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds