São cartas Senhor, são cartas! Depois de tocar a campainha, algo acontece. Não é o carteiro, mas há uma carta por abrir.

.posts recentes

. Ironia da realidade - Men...

. A ironia da democracia em...

. Não tenho paciência para ...

. Não tenho paciência para ...

. Não paciência para merdas...

. Ñão tenho paciência para ...

. Love in trash can

. End of watch

. O pecado numa dentada de ...

. Hotel Georgian

.arquivos

. Fevereiro 2013

. Dezembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Abril 2012

. Outubro 2011

. Julho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Fevereiro 2011

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

.links

Quinta-feira, 20 de Outubro de 2005

A queda (com alguns dias de atraso…)

star.jpg


Regressando aos meus postais pseudo-analítico-sintético-filosóficos….


A culpa é sem dúvida uma das criações mais extraordinárias do espírito humano. Sem entrar em considerações religiosas, a perturbação da acção enquanto acto de liberdade do indivíduo é a tinta do incompreensível livro da história da civilização e a ilustração abstracta dos “grandes episódios da história”.


Confesso que estas reflexões são motivadas para uma interessante conjectura dos astros que me levaram a seleccionar três filmes para quebrar a monotonia de um fim-de-semana eleitoral (sim, fui à “terrinha” cumprir o meu dever cívico): A queda – Hitler e o fim do III Reich; Adeus Lenine e Carandiru.


 


Dei comigo a pensar no denominador comum que encontrei nestes filmes: a culpa (seria interessante discutir outros denominadores comuns a estes três filmes, mas não há tempo). Esse sim, é o património da “velha Europa” católica, património colectivo dos ocidentais, censura das censuras. Já na cultura islâmica a culpa é substituída pela ideia de vergonha… curioso…. Bem, a Turquia vai ter uma decisão difícil!


 


Já aqui falei no interessante fenómeno de adesão do indivíduo aos fenómenos de massas enquanto fundamento para a acção individual e portanto estou consciente do risco de estar a repetir algumas ideias… mas quem sabe, talvez haja alguma ligação ao eterno retorno…  


Sem ser um filme extraordinário (e confesso que partia com uma certa desvantagem, dada a minha actual falta de paciência para filmes sobre a II Guerra Mundial e para a estilização demasiado “descomprometida” de um dos muitos episódios de fúria sanguinária do homem enquanto “homem”… não, não sou um radical islâmico, mas não posso deixar de pensar no paradoxo da Palestina), “A queda” acaba por colocar uma interessante questão sobre o que significa ser inocente no contexto de uma acção histórica como a II Guerra Mundial. Como medir a culpa de Hitler? (pensem nisto, não por comparação, mas por “osmose de reflexão”: pensem nas pessoas que euforicamente celebram a eleição dos autarcas de Felgueiras, Gondomar, Oeiras. Pensem no que elas dirão caso eles sejam condenados. Pensem no significado de julgar estas pessoas).


 


É perigoso ser idealista e cada vez mais tenho consciência disso, o que acaba por me colocar problemas interessantes uma vez que, confesso, “ainda” acredito em ideais. No entanto, começo a ser capaz de descortinar um fio condutor neste aparente conflito e que curiosamente decorre da minha outra dimensão emotiva e paradoxal do meu existencialismo negativista! Bem, compreendo se alguém me acusar de pretensioso … não há problema, já me chamaram coisas piores.


Sendo jurista, não posso omitir que esta discussão sobre a culpa tem uma conotação especial devido a minha vocação criminalista (e não criminosa…). Daí que ao ver “Carandiru” (já agora, fica aqui o meu desabafo de incompreensão, por que é que a maioria das pessoas liga este filme ao “Cidade de Deus”? Confesso, que esquecendo os denominadores comuns óbvios, por baixo corre um rio bem diferente).


A miséria humana é existir, e na verdade onde está a culpa quando temos de sobreviver. Acredito que viver em sociedade implica a necessidade de conciliar a existência individual com a existência colectiva. Socialmente, e tendo em vista que o objectivo é assegurar a sobrevivência da espécie humana tudo deve ser feito tendo em mente que o sacrifício mínimo do indivíduo só pode ser admitida como justificada duplamente. Julgar em nome da culpa é um limite, não uma justificação.


Talvez seja verdade, e adaptando uma frase do filme “A queda”: “Nesta guerra, não há civis”. Ou noutro registo:


“- Culpa tem remédio?


- Se tivesse, toda a gente ia querer.” – Carandiru


 


 

publicado por O Carteiro às 01:48
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Sexta-feira, 14 de Outubro de 2005

Redundância fotográfica

nova1.jpg
publicado por O Carteiro às 00:11
link do post | comentar | favorito
|

Redundância

Parece-me, e não sei se estou enganado,
Toda a gente corre para o destino,
Desconhecendo o caminho,
Para justificar o tropeçar,
Arrastado sobre o chão liso
Em que cada pegada é marca
Que o tempo não apaga
Antes lima e crava.

Parece-me, e não sei se estou enganado,
Toda a gente olha as estrelas,
Sem nada ver no horizonte,
Nem o fúria ondulante do sol,
Ardendo na sua miséria,
Da solidão da multidão,
Em ausência de matéria.

Abandono o destino
E sei que estou sozinho,
Perdido e achado no silêncio
De estar aqui
Seguindo o destino.
publicado por O Carteiro às 00:02
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Terça-feira, 4 de Outubro de 2005

Frases soltas

fiona07.jpg


Eu não sei se é influência do eclipse, mas hoje sinto-me bastante nocturno, mesmo que o Sol já tenha atingido o seu pico (sim, é hora de almoço).


O que vale é que vou fazendo uma retrospectiva sónica na companhia dos Silverchair e o seu incrível primeiro álbum Frogstomp!! Continua a ser impressionante (para não dizer f***-**, pois parece que ando a dizer demasiadas asneiras) a música que estes gajos foram capazes de fazer com apenas 16 anos .... “the water from the tap is very hot to drink”. A voz do Daniel Jonhs é surreal para um tennager ... ele é um dos meus vocalistas preferidos (Raul, agora já percebes como estás a anos luz de conseguir arrancar de mim um elogio às tuas vocalizações). E felizmente este não é um daqueles casos de “teensband” em que as cantores têm de fazer playback pois a voz que se ouve no cd tem mais aditivos que a “carne” do KFC. Ainda me dá vontade de rir quando alguém diz que o David Fonseca tem uma voz impressionante (e sinto que valeu a pena chatear algumas pessoas durante o concerto dos Silence4 na Queima de 1999!!!).


Mas o mais impressionante é a sonoridade global do álbum, a coordenação guitarra/bateria é demolidora (com destaque para o registo da bateria).


 


Mas isto são apenas frases soltas, e como devem (ou deviam ter reparado), finalmente “Extraordinary Machine” vai ver a luz do dia amanhã... em Portugal, provavelmente mais tarde, pois já todos sabemos como estas coisas funcionam... Sim, a foto é da Fiona Apple!


 


 

publicado por O Carteiro às 14:12
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|
Facebook

José Almeida is a fan of

The Big Church of FireThe Big Church of Fire
Create your Fan Badge

.Fevereiro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

.links

.contador

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds