São cartas Senhor, são cartas! Depois de tocar a campainha, algo acontece. Não é o carteiro, mas há uma carta por abrir.

.posts recentes

. Ironia da realidade - Men...

. A ironia da democracia em...

. Não tenho paciência para ...

. Não tenho paciência para ...

. Não paciência para merdas...

. Ñão tenho paciência para ...

. Love in trash can

. End of watch

. O pecado numa dentada de ...

. Hotel Georgian

.arquivos

. Fevereiro 2013

. Dezembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Abril 2012

. Outubro 2011

. Julho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Fevereiro 2011

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

.links

Segunda-feira, 28 de Fevereiro de 2005

"king size"

“One, two, three, four”.
Hoje é ao som de Christina Rosenvinge que escrevo esta página do diário de bordo. “we will have a good life, we will have a good house in the countryside and we will spend there the summer time”. Há um conforto inexplicável nesta canção. E não é só pelo facto de hoje estar um frio “cane” (-1º mais precisamente) e a ideia do Verão ser um suave bálsamo. O tom coloquial da sua voz parece trautear um daqueles monólogos “non sense” deliciosos, que tantas vezes andam cá dentro perdidos, oscilando ao sabor de uma alegria aguda de viver, sem explicação satisfatória. O mundo somos nós!

Uma imagem: Caminhar desde a estação de Coimbra “A”, em direcção à Universidade, pela Couraça de Lisboa, de manhã bem cedo, num dia de céu azul cru, olhando o Mondego tranquilo, desde o seu aceno ao abraço a Coimbra na Ponte de Santa Clara. Desde “Love Burns” até "White palms" dos Black Rebel Motorcycle Club (entretanto já se chegou à universidade).

Regresso à Christina Rosenvinge, para aguçar a curiosidade dos leitores e potenciais ouvintes…. espero. Rezam as crónicas que esta donzela de sangue duplamente real, fruto do cruzamento dos Reinos da Dinamarca e de Espanha, na sua adolescência encheu estádios de futebol na América do Sul, enquanto parte dupla Alex y Christina (sim, receio que seja algo do género…). Entretanto, depois de uma experiência mística (lirismo do carteiro), converteu-se à “indie” norte-americana, vivendo em Nova York. E, claro, como não podia deixar de ser, já esteve em Portugal (no entanto, não posso assegurar que tenha proferido a frase mágica: “I love Portugal”), fazendo a primeira parte dos Sonic Youth, no último concerto desta banda. Merece pelo menos um postal, não acham?
publicado por O Carteiro às 01:40
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 26 de Fevereiro de 2005

O toque

Primeiro artigo
Começar por onde? O melhor é não começar.
Nunca escrevi um diário, nem sequer me interesso por aí além pela internet ou coisas afins. Mas há uma coisa que sempre gostei de fazer: escrever cartas. Pensando bem, não é só escrever cartas, é também o ritual de enviar e receber cartas.
Um ritual...
Não consigo deixar de recordar uma das coisas mais interessantes que aconteceu quando andava no secundário, o ritual das cartas! Este é um daqueles momentos em que um sorriso percorre a distância do passado.
Não sei quem começou ou como é que começou, mas isso, aliás como normalmente acontece, não é o mais importante. Durante o secundário, eu e os meus amigos tinhamos um ritual de escrever cartas entre nós. Sim, um ritual é a palavra adequada, à qual junto sagrado, sem explicar porque. Era sem dúvida curioso, passavamos o tempo todos juntos na escola, falavamos imenso, partilhavamos imensas coisas, mas depois havia uma carta!
Todos trocavamos cartas entre nós, a maior parte das vezes, entregues em mão, com uma cumplicidade inexplicavél.
Havia uma regra que mais do que imposta era implicitamente aceite por todos, o conteúdo era inviolável. Pelo que sei, essa regra foi sempre respeitada, ao limite.
Nessas cartas, existia um novo universo e imaginário. Uma comunhão profunda daquilo que eramos, embora essas cartas não se limitassem a ser um confessionário ou um cemitério de segredos pós-adolescentes. Eram laços de palavras, pedaços de vida, sonhos e pesadelos confiados nas mãos de alguém que nos devolvia nas suas palavras um mistério profundo. Era algo que começava e terminva nas palavras confiadas nessas singelas cartas.
Tenho cerca de 100 cartas guardadas religiosamente desse tempo.
Actualmente o meu contacto com esses meus amigos do secundário é praticamente reduzido a alguns telefonemas anuais, tirando pontais excepções de fugazes reencontros. Algumas dessas pessoas não vejo nem falo com elas há anos.
Mas o sentimento sagrado permanece inviolável.
Serve esta introdução de interlúdio a este blog. Será a metáfora do carteiro.
Benvindos!


publicado por O Carteiro às 15:30
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Facebook

José Almeida is a fan of

The Big Church of FireThe Big Church of Fire
Create your Fan Badge

.Fevereiro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

.links

.contador

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds